Summary

BRICS Business Magazine thanks Victor Bereznoi for the translation into Portuguese.

Sumário

Temos mais sorte prevendo as mudanças tecnológicas do que sociais. Já hoje podemos dizer como vai evoluir a Internet das coisas, qual o rumo que irão tomar a energia e a medicina do futuro, quais novas maravilhas nos irão trazer as impressoras 3D em 2030 e, respetivamente, como vai mudar a economia global e seus agentes. Porém, a nossa capacidade de previsão nos falha muito quando tentamos imaginar a sociedade que vai viver neste novo mundo, ou melhor ainda, as sociedades. Afinal, se realmente começa o período da chamada pós-modernidade ou modernidade líquida, quando deixam de ser necessários muitos atributos habituais, tais como as instituições, negócios, sistemas de obrigações e mesmo a maneira de como se fazem escolhas na vida, nessas novas condições é bem provável que apareçam, em vez de uma sociedade, múltiplas microsociedades móveis que se vão a tornar os principais motores de qualquer processo, assim opina o Presidente do Conselho Editorial da BRICS Business Magazine Ruben Vardanian. Será muito interessante ver como eles vão concordam entre si sobre o que é bom e o que é ruim.

A última gota

O fator principal que causou os protestos em massa e a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff não foi a fraca economia, mas antes a indignação da classe média brasileira com a escala sem precedentes de corrupção no país. Até as novas eleições presidenciais o Brasil deverá passar por dois anos de luta política muito dura e complexa com um resultado imprevisível, opina o Professor Dr. Sergei Vassiliev, Vice-Presidente da Vnesheconombank, Presidente do Conselho Empresarial Russo-Brasileiro.

Seguindo a narrativa

Enquanto o sistema econômico global crescer graças às atividades dos investidores e outros agentes de mercado com mais iniciativa, a humanidade sempre será confrontada com o risco de algumas histórias negativas poderem ofuscar de repente, por um tempo limitado, as iniciativas positivas que dominam o terreno global. Os reguladores devem fazer face aos riscos provenientes das estruturas que, por definição, são propensas a vários scenarios de desestabilização, tais como, por exemplo, os fundos dos mercados monetários. No entanto, as medidas de controle urgentes que se tomam estão sempre estreitamente ligadas a um determinado momento e um contexto concreto, já que a narrativa está sempre em mutação. A reacção que esta narrativa produz na sociedade é capaz de mais uma vez revelar as falhas que temos em nossa “armadura” financeira, escreve na sua coluna o Professor de Economia na Universidade de Yale Robert Shiller, ganhador de Prêmio Nobel em 2013.

A grande troika do terceiro mundo

Por muito diferentes que sejam, Cuba, Irã e Myanmar têm em comum algo importante: cada um dos três países está no limiar de uma nova era na sua história com potencial de atingirem, num futuro próximo, a taxa de crescimento mais rápida de entre as outras economias emergentes. Vladimir Korovkine, o Chefe de Tecnologias Digitais do Instituto de Estudos das Economias Emergentes SKOLKOVO partilha com o leitor da BRICS Business Magazine as suas perspetivas sobre o passado histórico, os problemas mais atuais de hoje, os principais desafios e fontes de riscos, assim como futuros scenários da grande troika.

Official partners

Logo nkibrics en Logo dm arct Logo fond gh Logo palata Logo palatarb Logo rc Logo mkr Logo mp